quinta-feira, 6 de novembro de 2008

Apócrifos, das cartas não enviadas: A moeda ou Das mulheres de meu Pai


D.Q,




"Se o mar tem o coral
A estrela, o caramujo
Um galeão no lodo
Jogada num quintal
Enxuta, a concha guarda o mar
No seu estojo .
Ai, meu amor para sempre
Nunca me conceda descansar.
Pai, o tempo vai virar
Meu pai, deixa me carregar o vento.
Vento.Vento. Vento."




Homem, que é de ti? De ti, que entre os treze optou por abandonar a calma. Quando nasceu, certamente e ainda sob o signo de um Deus antigo (ao menos em testamento), tua mãe te marcou com o sinal dos escolhidos. A ti e a tuas irmãs. Te marcou com a marca dela. Feminina. O teu pai, com todo o cuidado que se exige com um homem assim, te cobriu de cinzas para que não vissem o seu sinal. E você cresceu.
Seguiu teu caminho até encontrar uma fagulha. Ela te pôs fogo, não foi?
Ela queimou por quinze anos e virou brasa apagada. Sobrou pra mim: herdei a marca de tuas mulheres, meu pai. Você, querendo me poupar do destino dos que têm o silêncio como língua-mãe, me cobriu de cinzas e foi-se pelo mundo, semeando ventos e colhendo tempestades.
Eu só queria te dizer que hoje eu vi quando o vento soprou e afastou suas cinzas.
Eu só queria te dizer que eu também, pai, eu também.


Um comentário:

Thalita Castello Branco, disse...
Este comentário foi removido pelo autor.